QUENTAL, Antero de

  • Nascimento
    1842
  • Morte
    1891
  • Categoria Profissional
    Compositor manual
Biografia

Nasceu em Ponta Delgada, em 18 de abril de 1842, no seio de uma das mais importantes famílias micaelenses. Poeta, destacou-se também na filosofia, jornalismo e pelo ideário social. Formado em Direito, pela Faculdade de Direito da Universidade de Coimbra, onde ingressou em 1859 e foi líder estudantil. Já formado, aproximou-se da linha socialista de Proudhoun, altura em que experimentou a vida como compositor na Imprensa Nacional e depois em Paris (1867), onde se familiarizou com as questões do proletariado.
De regresso a Portugal, colaborou na imprensa democrática e iberista, no contexto da revolução republicana espanhola. Entre outros, era amigo de Batalha Reis, Oliveira Martins, Eça de Queirós, Manuel de Arriaga, José Fontana, Ramalho Ortigão.
A sua atividade política mais evidente iniciou-se em 1870, dando origem à «Geração de 70», publicando, a par da obra poética, panfletos propagandísticos. Manteve também atividade jornalística intensa, tendo dirigido o República. Jornal da Democracia Portuguesa.
Com Batalha Reis, organizou as «Conferências do Casino» no Casino Lisbonense, a partir de maio de 1871, destacando-se a sua conferência sobre as «Causas da decadência dos povos peninsulares».
Embora já se debatendo com uma doença dificilmente diagnosticável, candidatou-se como deputado pelo Partido Socialista em 1879 e 1880. Manteve produção literária e política até ao final da sua vida, intervindo ainda no contexto do Ultimatum Inglês, em 1890. No ano seguinte, já visivelmente desiludido com a realidade política nacional, decidiu retirar-se para Ponta Delgada com as filhas do seu amigo Germano Meireles, que adotara após a sua morte. Acabaria por colocar fim à vida com o seu próprio revólver em 11 de setembro de 1891.