Entrevista ao responsável editorial, Américo Farinha de Carvalho.

  • Referência
    «Para além do "Diário da República. A Imprensa Nacional que só alguns conhecem. Entrevista com Américo Farinha de Carvalho, responsável editorial», Edição Especial, de 11 de março de 1979.
Assunto

Entrevista ao responsável editorial da Imprensa Nacional, Américo Farinha de Carvalho.

Ficha

«”Venham até à Imprensa Nacional, venham às suas livrarias, passem por cá. Não quero dizer que venham comprar mas vejam, folheiem. Nós não praticamos o oportunismo editorial, mas vejam que efetivamente podem levar daqui coisas importantes que servem para enriquecer a vossa cultura (…) Espero que o Instituto Português do Livro apareça rapidamente para o livro português ser cada vez mais conhecido aqui e lá fora (…). E Espero que o Governo tenha uma atenção especial para o livro. O livro faz parte do património das pessoas e portanto deve ser bonificado, nas taxas do papel, nos portes, etc.”
Ao fim de uma entrevista em que o tem foi o livro e os seus problemas, mas um livro muito especial, aquele que é editado pela Imprensa Nacional, eis-nos diante dos votos otimistas de um homem sem dúvida apaixonado pela cultura livreira de Portugal, Américo Farinha de Carvalho responsável pela editora da Imprensa Nacional, também autor voltado para a pesquisa histórico-filosófica, em trabalhos publicados em jornais e revistas especializadas, e obras a publicar sobre Diogo Couto, Luciano Cordeiro, Alberto Sampaio (estudos económicos) e questão das cultura africana- Ei-lo numa entrevista à Edição Especial a falar da Imprensa Nacional, de livros e projetos.
[…]
-Qual é a atividade da Imprensa Nacional em relação às publicações?
. Esta pergunta poderia ter várias respostas. Nós, por via de regra, estabelecemos um programa editorial em duas perspetivas: ou reeditamos obras de fundo cultural, que mais ninguém edita, porque o seu valor comercial é relativo, ou editamos obras, procurando pessoas que científica e culturalmente tenham um valor incontestado para darem desenvolvimento aos projetos.
Temos, por exemplo, em preparação, o álbum da Madre de deus e está também para sair em breve a bibliografia da Literatura Africana de Expressão Portuguesa. […]»